quarta-feira, 31 de março de 2010

EU!

Segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Entrevista: Juvencio Veloso, fanzineiro da primeira geração brasileira

1 - Como é que você conheceu a cena dos fanzines, nos anos 1980?
Bom, se não me falha a memória (e ela quase sempre falha), foi através das seções de cartas de umas daquelas editoras (D-ARTE, acho) mas lembro muito bem do primeiro fanzine que recebi, o HOMO SAPIENS, do Beralto, era uma folha de xerox frente e verso. Foi mágico ... Era o "EL Dourado", uma nova dimensão, não sei como explicar a emoção que senti, só sei que não dormi naquela noite! Nós podemos fazer quadrinhos! Nós podemos... Depois veio o Mutação e centenas de outros!
2 - O que você pode recordar daquela época?
Muito louco! Foi uma loucura! Todo mundo querendo fazer, criar, participar... Havia um clima muito bom, as pessoas tinham um pique de “derrubar presidente”! Essa era minha visão e sentimento. Uma de minhas grandes emoções (comparada com a do astronauta ao descobrir que a terra era azul ) foi conseguir publicar minha primeira tirinha no Fanzine Mutação, um mundo novo se abria para nós, descobrir que Olendino, Mozart, Watson... eram pessoas como nós, de carne e osso, e estavam no mesmo barco, o nosso barco! Novos amigos dos mais distantes cantos do Brasil, descobrimos novos focos de resistência: Maturi, Psiu, Historieta, Legenda, Armário Mecânico, Politiqua, Barata, etc... Descobrimos que não estávamos sozinhos no universo. Muita troca de correspondências, tinha dia de receber até seis fanzines, nem dormia ao chegar do trabalho. Curtindo, devorando, respondendo o mais rápido possível. Tinha carta minha que era quase um livro, umas dez folhas de sulfite frente e verso, gostava e ainda gosto muito desse contato. Foi mágico!
Acho que o momento político também influenciou, merece uma análise mais profunda... Sei lá... “ Hei anos 80 charrete que perdeu o condutor ”...
3 - E a sua produção de tiras e personagens?
Eu me alimento muito de emoções e quando os contatos foram escasseando ficou um vazio enorme, perdi o clima, acabei ficando quase vinte anos sem desenhar nada, (nem mesmo para ajudar no trabalho de escola das crianças) por isso meu trabalho não evoluiu nada, foi barra. Ouvir Raul Seixas foi meu livro de auto ajuda para seguir em frente. Mas estou voltando, pois tenho muito que aprender com esta nova ferramenta que é o computador (e internet). E meu blog esta me emocionado muito!
4 - Como você vê a produção brasileira de histórias em quadrinhos?
Estou muito desatualizado, mas vejo com muito otimismo o futuro dos quadrinhos nacionais, talvez não a curto prazo, mas estamos evoluindo! A internet tem sido uma importante ferramenta de estudo e pesquisa e ajuda aproximar as pessoas. Pensa nos anos 1980, com todas aquelas limitações para se comunicar e produzir... Balançamos a estruturas, imagine agora. O caminho não é derrubar os quadrinhos gringos e sim conquistar o nosso espaço. Muitos que estiveram naquele movimento, hoje estão produzindo para editoras americanas, o caminho é esse. Vamos invadir a praia deles, aprender tudo o que eles podem ensinar e colocar em prática aqui , criatividade nós temos.
Claro que existe o lado da nossa educação precária, colonialismo cultural e analfabetismo político, mas isso também é muito profundo ...
5 - Em que momento você se afastou da cena underground?
A saída de cena é sempre muito melancólica, por isso é díficil precisar o momento certo. Foi mais ou menos quando os contatos começaram a escassear e minhas longas cartas pareciam forçar a barra para manter um vinculo de amizade que para mim era muito importante. Mas também não sei dizer se foi só isso, tem também a questão financeira - minha e do país - era muito difícil brigar pelo quadrinhos nacionais e não poder comprar nem as duas ou três publicação que saiam nas bancas.
6 - O que você tem feito?
Como o Capitão América, estive congelado por muito tempo... Veio a sobrevivência... Trabalho como metalúrgico numa multinacional, estive envolvido com militância e oposição sindical, uma experiência frustrante e frustrada, vou levando a vida ...
7 - Além do blog Baú do Veloso, você pretende lançar alguma edução impressa com suas tiras e personagens?
O blog esta sendo uma experiência nova e muito gratificante. Estou revendo e fazendo amigos, como disse eu sempre levo tudo para o lado pessoal. Eu me considero mais um contador de história, o desenho acabou sendo mais uma ferramenta para isso. Ficar hibernado por tanto tempo acho que descartou a curto prazo qualquer projeto de publicação, mas tenho este sonho sim. Estou num momento muito feliz de minha vida, dizem que a vida começa aos quarenta, eu estou com 47 anos, no jardim da infância da minha existência e buscando novos horizontes e formas de me expressar.
.8 - Poderia deixar algum recado para a nova geração de quadrinhistas?
O recado serve também para alguns velhos cabeça dura , é preciso ter autocritica e também aceitar as criticas construtivas , saber ouvir, buscar contato com seus leitores procurando saber sua opinião , buscando dicas e sugestões. Procure ter como referência o trabalho dos grandes mestres até fortalecer seu estilo e principalmente produzir muito. Defina em quais veículos pretende publicar e faça uma boa produção voltada para o mesmo. Acho que basicamente é isso: Humildade, vontade de aprender, autocritica, ler muito, produzir mais, traçar metas, buscar parcerias e não desistir nunca. Vamos a luta! Um último recado: não carreguem bandeiras, ela vai acabar pesando e fazendo você parar no caminho! Valeu e vêm ni mim que eu tô fácim!
A Fanzinoteca Mutação segue com sua meta de preservar a memória e a produção de fanzines brasileiros (mas sempre aberta aos zineiros de qualquer parte do planeta), e ficamos muito satisfeitos com o resgate que conseguimos até aqui. Para conhecer mais o trabalho do Juvencio Veloso, é só visitar a nossa fanzinoteca ou acompanhar o seu blog, Baú do Veloso.


Obrigado a todos que tem visitado e postado comentáros valeu!

6 comentários:

Rita Lavoyer disse...

Olá Veloso.
Passe para deixar um abraço.
Té mais!

Valdeir disse...

É bom conhecer um pouco o seu processo de criação.

Graças a Deus que voltou a criar.

Abração e ótima quinta-feira.

Graça disse...

Parabéns, amigão!

Vc é um herói, um vencedor...

Amei ler sua entrevista, embora um dia atrasada..rsrs

Valeu!

Feliz Páscoa a vc!

K disse...

muito boa entrevista!

Milton Kennedy disse...

Amigo Veloso, obrigado pelas palavras que deixou lá no blog. Confesso que já há algum tempo planejava aprontar uma caricatura sua, como forma de agradecimento a toda 'alegria' que encontro aqui no Baú.
Eu tbm sempre quis ser retratato por alguém, mas isso é assunto pra uma postagem que estou preparando para dezembro.
Gde abraço

RUBENS JUNIOR disse...

Olá Veloso!
Parabéns pela sua entrevista e pelo seu trabalho com os quadrinhos!

Fico feliz em anunciar que minha mídia OS QUADRINHOS ( www.osquadrinhos.blogspot.com ) comemora 1 ano dia 4 fevereiro! Resolvi montar um mural com artes de vários quadrinistas homenageando este 1 ano de trabalho, e ficarei mais feliz ainda e muito honrado se receber uma arte sua como presente para este mural tão especial! Sei que é chato pedir assim, mas faço muita questão!

Segue o link de algumas artes que já enviaram
http://www.facebook.com/media/set/?set=a.258252597575846.64140.257029351031504&type=1

Abração!
Fico no aguardo..